9.02.2016

INSTANTE ÍMPAR





INSTANTE ÍMPAR 

E eis que nesse exato momento
Em que me viro, tu estás a passar… 
Então, fico em suspenso e nem tento
Sequer um gesto, ou um pestanejar. 

No existir (ideal) que acalento
A perfeição (inicial) só pode estar
No instante (em que te vejo o vento
Manso se ergue…) da brisa a murmurar. 

Séculos e séculos que eu vivesse,
Todos e nenhum valeriam metade
Desse segundo em que a rua desces;

Em que te vejo e és toda a verdade, 
Não só imaginada, mas também real
E passo a passo sentida como tal. 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue