9.29.2003

Há no "A Pérola", independentemente dos efeitos da música da família, que inicialmente leva esta a procurá-la e depois a destrui-la, uma capacidade de arrebatamento que, parece, só terá equivalente em "Um Estranho Numa Terra Estranha" no amor altruísta V. Michael Smith que o atira para a sua própria destruição?... À primeira vista poderá parecer que sim, no entanto, acho bastante suspeito; e complicado... Se admitíssemos que a única saída para a felicidade alheia estava no sacrifício da nossa própria felicidade, esta leitura ajudar-nos-ia muito, muito, muito pouco! A literatura, se acaso tem outra funcionalidade do que aquela que está explícita na sua definição literal, deve e pode estar para além das aspirações humanas mas, embora lhe sejam essenciais, não se pode resumir a elas. Ou pode?
posted by jcastanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue