4.24.2019

UTOPIA PESSOAL






UTOPIA PESSOAL


Se pudesse, esquecia-te (já)
E nunca mais te veria;
Mas temo tanto por mim
Como temo pla poesia.

Fazia-m'o breve que abrevia
Ápice entre está e não 'tá,
Prestes a ruir, assim
Sílaba o enuncia.

Punha o querer num punhado
Mancheia de versos disformes,
Onde as sombras, enfim
São luz, são a maresia.

Dava-lhe haver por sobrado
Despensa, sementes e fomes;
Alguns ramos de alecrim
Prò odor da melodia.

E então, quando conseguisse
Já predicado sem sujeito
Havia de dizer: «Se pudesse
Tirava-te também do peito!»


Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue