1.23.2017

BAILIA DA AUSÊNCIA TRANSPARENTE




BAILIA DA AUSÊNCIA TRANSPARENTE

Pardalitam teus olhos na lembrança
Saltitando ainda dentro dos meus, 
Marcando ritmo aos passos de dança
Com que a alma me baila nestes céus
Sem uma nuvem, uma dúvida sequer
Em entrega total, inocente criança
Ao nome de "mãe", numa linda mulher…

Podiam voar, ser livres, mas, todavia
Preferem ficar presos a esses teus,
Com que a própria luz do dia (a dia)
Pintou no azul uma dança sem véus.

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue