12.08.2016

NO DIA DE INANNA




NO DIA DE INANNA 

Como por magia surgiste
(Saíste do carro familiar), 
E o que era um dia triste
Virou sorte que não desiste
De surgir em qualquer lugar… 

O acaso tece e entretece
Nos pleitos configurações, 
Que o peito quase merece 
O proveito das ocasiões: 
Essência nascida dum nada 
– Duma ínfima centelha só –, 
Estrela a indicar estrada 
Que nos coloca na peugada
Da Grande Mãe, chamada avó. 
Da conceção também sabida
Na realeza dos pergaminhos, 
Pela natureza da vida 
Que é mãe de tod’os destinos. 

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue