11.07.2019

DA AUSÊNCIA E DA PRESENÇA





DA AUSÊNCIA E DA PRESENÇA

Tu estás, e a saudade morre.
É essa a virtude das (sãs) paixões
Com que o tempo lava e discorre
Sobre o maior sentir das tradições.
Nossa, enquanto portugueses
Mas também universal (às vezes)
Que o que é do humano coração
Pra todos tem igual condição.

Tu estás, a terra gira, gira
E eu rodopio com ela, feliz.
Qu'a saudade nunca se retira
Sem por nela a presença que se quis!

Joaquim Maria Castanho
Com foto de Elie Andrade

E POR QUE NÃO?




E POR QUE NÃO?
Li Isaac Asimov de fio a pavio há mais de 25 anos, pelo que a transição digital (robotização, inteligência artificial e a internet das coisas) não é encarada por mim como um bicho de sete cabeças. É apenas o principal recurso do século XXI, em termos económicos, organizacionais, comunicativos e sociais. A arte e a filosofia não lhes podem ser alheios; a política tem com ela responsabilidades acrescidas; a eficiência energética e a elevada produtividade são suas sucessoras diretas. O bem-estar, o equilíbrio ecológico, a sustentabilidade, a biodiversidade e o combate às alterações climáticas são os seus principais argumentos. E, enfim, o progresso e o futuro da humanidade os seus desígnios fundamentais.

Porém, nem todos e todas têm sensibilidade para lhe reconhecerem a valia. Sobretudo porque se negam a cortar o cordão umbilical com a sociedade de produção/consumo em que nasceram e onde se formaram (cidadãos e cidadãs). Portanto é urgente que o debate da atualidade inclua na sua agenda a transição digital, bem como as maneiras como ela se vai revelando no dia a dia, alterando as profissões, os produtos, as relações interpessoais, sociais e laborais. E por que não?

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue