1.22.2017

SAGRAÇÃO DO FRUTO




A SAGRAÇÃO DO FRUTO 
(poema dominical)


Simples e breve, flash na imensidão,
O destino descreve pra que serve
A escolha do momento na ocasião;
Então, qual ceifeiro, por paralelo, 
Colhido o fruto no pomar singelo
Ei-lo deposto em tua carinhosa mão… 

Suas linhas tornam-no doce e belo.
E minha mesa, a latitude exata 
Onde o raio de luz (ouro amarelo)
Lhe sublinha o gosto, o colorido
De um maduro "trigo" feito em pão
Suculento, e vivo que me mata
Esta fome de sonho qu'é a paixão! 

Joaquim Maria Castanho 

O CANDEEIRO BRUXULEANTE




CANDEEIRO BRUXULEANTE


Quase como quem adormece assim
Entre luzes de estação suburbana, 
Aquele que se desconhecia hesitou… 
E eu, que já aí desci ou subi, enfim
Fiz mil reparos à forma assaz insana
Com que ele se ajeitou entre jornais.

Se não sabia ler, com que direito, então
Recorria ele à imprensa vespertina? 

Há silêncios que apenas parecem ais.
Há ais que gritam genuína humilhação. 
Há humilhações que vão de esquina 
Em esquina, onde nada mais… ilumina! 

Joaquim Maria Castanho 

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue