7.20.2004

Fecho de ciclo


Dizes que te são familiares os meus poemas
Assim como que inscritos no silêncio de cada um
A germinar soluções químicas de encontrar apenas
O exemplar olhar de nos escrevermos em todos e nenhum?...

Pois bem, “amiga”: tens razão – falam do amor ao amor
A nossa casa, o nosso pão, o nosso quarto, a nossa sala comum
De viver o quotidiano soletrando terna companhia.

Falam de sentir prazer em dar prazer
Em naufragar nas ondas do sonho e fulgor
Da paixão como nunca antes houve um dia…

Falam de viver imediatamente aqui e agora
Entre as estações do tempo e do jardim, na cor
Da inocência de amar e querer sem esquecer
Que o mundo e a vida toda cabem numa hora!

Que são 60 minutos só nossos, de mais ninguém
A ditar-nos que as palavras são também família!....

J.C.
16-07-2004. 17h27

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue