6.09.2019

TUFO NA MARGEM...


   


TUFO À MARGEM

Digo-me tão pouco às vezes
Principalmente se me não vês,
Que as horas parecem meses...
Horas bem maiores que o mês.

Calada, és muralha, forte
Intransponível prò meu gostar,
Que eu, tufo, à sede, na morte
Fico na margem sem me molhar,
Sem beber dessa água pura
Que a vida traz do teu olhar
E fecunda alma se madura.

Digo-me tão pouco se me travas...
O verso brota ressequido!
Poemas são só ervas bravas
Sem palavras na margem do ouvido!

Joaquim Maria Castanho
Com foto de Elie Andrade

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue