11.24.2004

NO GOLFINHAR DOS OCASOS

És igualmente dos que nasceram desconstruídos
E ergueram a tarefa dos dias no sol a sol da vida.
Tens o cérebro pejado de centopeias ovovíparas
Enroladas sobre si, os teleodentritos a dar passou-
Bens umas às outras, conversando animadas
Como quem discute barbaridades da vizinhança.
Desenrolas-te em sinapses de silêncio contrafeito
Mas é sempre a ronronar que vociferas escondido
Na sugestão de uma elipse entre os ramos da fala.
Dizes bom dia, portanto para lá de todas as indormidas
Concavidades repletas de absoluto e creme solipsista,
Ideais de ventres inchados pela fome das gentes gentias
Inseguras aos impérios, rebeldes na voz, fiéis ao mar
Ao grito fastidioso das ondas na rebentação do dizer
Estremunhadas, a afugentar os sonhos, enleados esses
Que nem centopeias a dar os pés numa roda de dança.

E adormecer silêncios escondidos nas esquinas do córtex
Sapateando sílabas soltas à beira ecolalia de escorreitos sados!


CANDEIA DE ÁGUA

Aberto estás no estuário do dia
Mas as portas do sol-pôr
Quase cerradas pela baía
Oscilam ainda nos gonzos do passado.

Coloca a luz a Ocidente
E aguarda simplesmente o dourar
A voz de cada espiga cerce o mar.

Setúbal, 20.11.04 – 18 horas

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue