10.23.2019

NO BALANÇO DA FOLHA





NO BALANÇO DA FOLHA

O vento fustiga arvoredo
Cujas folhas já combalidas
Jogam fora o verde segredo
E sucumbem amarelecidas.
Caem ao chão ou levantam voo
Riscam as sombras desmaiadas,
Alisam cinzas que o céu coou
Entre nuvens desidratadas
Que nem pingo d'água escorrem,
Que nenhuma vivalma acodem.

Porém, se uma se inclina
Balança entre mil cuidados,
Reluz, sede sacia, anima
Até os sonhos bloqueados.

Joaquim Maria Castanho
Com foto de Elie Andrade

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue