10.25.2004

OS RATOS
De: António Moncada Sousa Mendes.
Encenação: José Mascarenhas.
Cenografia e figurinos: Sónia Tavares.
Interpretação: Adriano Bailadeira, Rui Ferreira e Verónica Barata.
Luminotécnica: Armando Mafra.
Sonoplastia: Hélio Pereia.
Vozes off: Susana Teixeira e José Mascarenhas.
Em exibição na Igreja de S. Francisco, em Portalegre, nos dias úteis às 21:30 horas, e matinée aos domingos, até finais de Novembro.

A propósito desta peça, é legítimo sublinhar três aspectos primordiais (encenação, modernidade do discurso e trabalho dos actores), que lhe emprestam notória mais-valia.
PRIMEIRO - Num ambiente de cave, underground, tipo bunker do blitz, atelier de Jô, pintor neo-expressionista e obscuro das particularidades da angústia e desesperança universais, e Bill, autor diletante e multitalentoso, formam os ângulos base do triângulo (quase amoroso) cujo vértice é Maria, uma emigrante polaca, tão desejável quão desprotegida, órfã, ou tão despudorada quanto ingénua, casadoira, com problemas de Visto à perna e solução conjugal em vista, como recurso previsto para permanecer nos EUA, a democracia dos seus encantamentos. É um mundo fechado, calafetado, comprometido com o individualismo solitário da criação plástica, ensimesmado nos afazeres e preocupações de um artista que desacreditou nas grandes causas, desiludido com os sistemas e as políticas, com os valores humanos, mas extraordinariamente dependente, quer dos produtos alienatórios, como droga, álcool, aparelhos de comunicação, como dos afectos, tanto, que até os quadros que pinta, e que evidenciam a angústia primária da incomunicabilidade, são normalmente retocados por Bill, estimulados pelas considerações deste, onde a guerra dos mundos, não obstante a actualidade do momento, continua a chegar via rádio, embora que também transformado em despertador, à semelhança do que Orson Wells terá feito, através do contacto comercial com a mercearia ou bar da esquina, ou pelo morse sapateado de uma figura do leste, que vive no piso acima e lhe acende as expectativas de romance, ou lhe anuncia a perestróika, a solidariedade e o fim da guerra fria, e a quem ele deixa bilhetinhos à porta.
SEGUNDO - Neto de Aristides de Sousa Mendes, cônsul português que à revelia do Estado Novo facultou a fuga da Europa a milhares de judeus durante a II Guerra, autor de outras peças já representadas pela CTP/Companhia de Teatro de Portalegre ("OS DEGRAUS DA FORCA", em 2001, "EMIGRANTES", em 1997, e "ARISTIDES, O CÔNSUL QUE DESOBEDECEU", em 1996), António envereda pela reposição de um diálogo urbano onde a realidade é reflexo da emergência globalista, reproduzindo na súmula os principais momentos que marcaram a história da humanidade no último quartel do século XX.

(continua...)

CONTE COMIGO
De António Torrado
Encenação de Victor Pires
Cenografia e figurinos de Sónia Tavares
Luminotécnica de Armando Mafra
Sonoplastia de Hélio Pereira
Elenco: Adriano Bailadeira (Lourenço), Rui Ferreira (Carlos), Susana Teixeira (Laura), Verónica Barata (Maquilhadora), Armando Mafra (Realizador), Hélio Pereira (Câmara Man)e Maria Ricardo (Voz Off).

Suficientemente conhecido e reconhecido dos meios intelectuais, artísticos e académicos para demais referências biográficas, António Torrado narra nesta peça, caracteristicamente uma comédia de enganos, numa ambiência de talk-show telivisivo, "as fronteiras resvaladiças entre amizades e amores, alguns fantasmas sexuais e as desprogramações do comportamento afectivo dos 30 para os 40 anos", num encadeado jogo de equívocos, onde "a aparência de verdade se esconde sob a aparência de mentira" e vice-versa, demonstrando quanto as imagens virtuais são passíveis de despenhar-se "no chão da realidade", cujos estilhaços atingem inicialmente as vedetas mediáticas, como a enunciada no apresentador Lourenço, tão seguro e sedutor mas igualmente frágil e desamparado, e posteriormente todos os personagens, desde os técnicos do programa e estação televisiva, até aos ausentes, como no caso da esposa do apresentador, que nunca entra em cena mas que é uma das principais agentes do processo narrativo.
No imbricado universo de cenário dum mass media que pretende iluminar com luz fulcral e irónica as sombras e bastidores da nossa actualidade, esta peça em dois actos, em que o directo serve quase de separador entre ambos, relata os escaparates da traição conjugal, infundada mas fundamentada, confessada pela vítima (Laura, esposa de Carlos) ao suposto motivador dela (Lourenço, marido de Sofia),alvitrando para uma relação homossexual entre os dois amigos de longa data, desvendando assim um dos seus mais profundos receios, ou do marido a haver trocado por outrem, e logo um homem!, terrível infâmia, que de certo modo lhe obstruem a visão da realidade, quedando-se por desconfiar do absurdo para esconder o óbvio: que o Carlos tinha uma paixão, sim, mas com outra mulher. E que mulher!...
Por ser turno, Lourenço, o imaculado e brilhante apresentador de TV, a braços com a urgência profissional de pôr no ar mais uma das suas pérolas criativas, que lhe começa a correr pessimamente, fica trancado nos estúdios, a sua redoma de defesa, logo totalmente à mercê da inesperada revelação da mulher do seu melhor amigo (e admirador), sucumbe às suas ancestrais dúvidas sobre o carácter da sua masculinidade, vacila, claudica, entra em ruptura de personalidade, revelando o lado obscuro do seu brilhantismo, põe a nu a mácula não revelada pela sua face pública, associa condições e situações inassociáveis, enreda-se nas desconfianças de Laura, perde a áurea de espectacular apresentador, e, quando no final do programa recebe a anunciada visita de Carlos, que lhe vem confessar "algo igualmente inconfessável", é defrontado, além de com uma nova ordem de arrumação de conceitos existenciais, também com a constatação de que entre amizades antigas um engano nuca vem só, e que se é verdade que a traição de Carlos a Laura tem algo a ver com ele, é simplesmente porque ela é praticada desde longa data com a sua mulher, que ele pressupunha fiel, apagada e submissa esposa, mas que brilha numa outra esfera, sem ribaltas nem destaques, que é a de transformar tendências recalcadas em presentes assumidos e consumados. Enfim, uma peça que trabalha a percepção do espectador por socalcos de significação, ou níveis de compreensão, cuja acção principal acontece fora de cena, mas nem por isso diminui a hilaridade duma comédia que nos leva essencialmente a desacreditar nas aparências. Sobretudo, nas de semântica. E no (encadeado) jogo de réplicas que remontam a um quotidiano que nos é (invulgarmente) familiar, porquanto nos entra portas adentro sempre que a TV é ligada e compramos alguma revista dela, sobre ela, de diz-que-disse nela, que reflicta o mundo do espectáculo e da telenovela.
(NOTA: Esta peça estará em cena, em Elvas, no Cineteatro, dia 7 de Novembro, às 16 horas)

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue