9.30.2009

Embora desconfie que há por aí muitas pessoas com a parte traseira bastante ca(rre)gada, cá vai o lamiré!...


9.28.2009







DECLARACION SOBRE LOS ACONTECIMIENTOS EN HONDURAS
[Declaración conjunta de tres secciones de la Cuarta Internacional en las Américas: Organización Socialista de los Trabajadores (OST) de México, Corriente O Trabalho del Partido de los Trabajadores (PT) del Brasil, y Socialist Organizer de los Estados Unidos]
Madrugada del martes 22 de septiembre. De acuerdo con el testimonio de testigos, más de mil elementos de la policía y el ejército, se lanzan con fusilería, bombas lacrimógenas y garrotes contra miles de personas apostadas frente a la embajada de Brasil en Tegucigalpa para proteger al presidente Manuel Zelaya que decidió regresar a Honduras para hacer valer su derecho a terminar su período presidencial.
Desde que volvió Manuel Zelaya, presidente legítimo, la lucha del pueblo hondureño contra los golpistas ha tenido un nuevo aliento.A pesar de la reacción del gobierno de Micheletti, que detiene, hiere y mata y que no duda en agredir a la Embajada de Brasil en donde Zelaya se ha refugiado, la movilización popular se ha extendido convocada por el Frente Nacional contra el Golpe de Estado, obligando al régimen a levantar el toque de queda.La dictadura, llegada al poder por el golpe de estado contra Zelaya el 28 de junio, con el apoyo de los mandos del ejército hondureño, los partidos de la oligarquía y detrás de ellos el embajador norteamericano, busca mantenerse en el poder a costa de la sangre del pueblo. Sin embargo, tan solo siete días antes del regreso de Zelaya, en el día de la conmemoración de las "fiestas patrias", el gobierno de Micheletti mostró su total aislamiento.
El 15 de septiembre, 500 mil trabajadoras, trabajadores, jóvenes, habitantes de las barriadas, desfilaron convocados por el Frente Nacional contra el Golpe de Estado para conmemorar la primera independencia del país (1821) y para pugnar por una segunda independencia, expresada en la consigna de Asamblea Constituyente para imponer instituciones democráticas, para defender la soberanía nacional y popular y realizar las demandas históricas del pueblo: reforma agraria, respeto a los derechos laborales, y más. Ese mismo día 15, el gobierno golpista solo pudo reunir a 4 mil personas, encerradas en un estadio de futbol, vigiladas por el ejército y obligadas muchas de ellas a asistir so pena de sanciones laborales.
El pueblo hondureño siente el regreso de Zelaya como un triunfo de su movimiento que dura ya 88 días con manifestaciones diarias, la mayor parte de las veces ignoradas por la prensa internacional interesada ante todo en promover el Plan Arias-Clinton que plantea el regreso pactado de un presidente sin poderes, para dar "validez" a las elecciones, ilegítimas del mes de noviembre.
El movimiento ininterrumpido de las masas hondureñas, como se ve en las calles y se expresa en las declaraciones del Frente Nacional Contra el Golpe de Estado, busca el retorno de Zelaya a la presidencia, para concretar la convocatoria a la Constituyente y el castigo a los culpables de la represión y el asesinato de gente del pueblo.
La suerte del pueblo hondureño es la suerte de los pueblos de Centroamérica, del continente entero y del mundo. Es la lucha por el derecho de los pueblos a decidir sobre su propio destino y a ejercer su soberanía, por la unión libre de las naciones libres y soberanas en estrecha colaboración con los explotados y oprimidos de Estados Unidos.
Detener la escalada represiva contra el pueblo de Honduras, es oponerse frontalmente a la ofensiva belicista del gobierno estadunidense que construye bases militares en Colombia para ayudar a los oligarcas locales de tal modo que continúen desempeñando su papel de administradores de los grandes consorcios extranjeros y para detener el proceso de resistencia de todos los pueblos trabajadores del continente y hacerlos pagar los billones de dólares que cuesta la brutal crisis capitalista internacional.La Cuarta Internacional se pronuncia por el apoyo solidario al pueblo hondureño y participa en todas las acciones de frente único con las organizaciones de trabajadores y las que se pronuncian por la soberanía de los pueblos, contra la represión, por la democracia, y llama a realizar movilizaciones y pronunciamientos en apoyo del pueblo de Honduras.La Cuarta Internacional dice:








¡ABAJO LA DICTADURA GOLPISTA!




¡LIBERACION DE LOS DETENIDOS!


¡ALTO A LA REPRESION!


¡CASTIGO A LOS CULPABLES!


¡ZELAYA PRESIDENTE, DE MANERA INMEDIATA E INCONDICIONAL!

¡ASAMBLEA CONSTITUYENTE!

viernes, 25 de septiembre de 2009

9.22.2009

O projecto de participação do POUS-Portalegre, nestas eleições para a Assembleia da República, enquadra a sua motivação essencial na necessidade que o Distrito de Portalegre sente em ter uma voz própria, com sotaque e preocupação, que revele e pugne pelas mais profundas aspirações dos alentejanos, que ultimamente se não têm visto reflectidas na acção legislativa, nem no discurso de um órgão de soberania, com inegáveis responsabilidades, determinantes e efectivas, na qualidade de vida e esperança dos portugueses.

Assim, vamos assentar a nossa actividade, na Assembleia da República, concentrando as nossas preocupações sob dois eixos fundamentais Inovação & Desenvolvimento, Conhecimento & Tecnologia, quatro conceitos estruturantes, de que o mundo actual não pode prescindir se quer rumar ao progresso e à liberdade;
Principalmente porque temos em vista concretizar os dez objectivos fundamentais do nosso programa, que se alicerça nos quatro pilares indiscutíveis da realidade actual, os quatro pontos cardeais que norteiam a consciência cívica e a emancipação política e social que merecemos, que têm vinculado os cinco mil anos de história peninsular que nos inspiram para mais cinco mil anos de futuro sustentável em bem-estar e harmonia, momento resumido pelo gesto de cada no décimo quadradinho do boletim de voto, dia 27 deste mês, porquanto é este o lugar daqueles que querem, não só combater a crise e o desemprego, mas impedir que estes flagelos se repitam, pelo que vamos pugnar na Assembleia da República pela criação do Instituto de Sustentabilidade;
Por todos aqueles e aquelas que querem ajudar na melhoria de condições de vida e aprofundar a democracia, tornando-a cada dia mais democrática e exemplar, convocando o regime republicano a não abdicar da democracia participativa e da cidadania, proporcionando uma sociedade plural e justa, de todos para todos, e com todos, sem excepção;
Por todos aqueles e aquelas para quem a diferença e diversidade são uma inequívoca riqueza, parte essencial da mais-valia universal do mundo trabalhador, e estão dispostos a consolidar o Observatório da Biodiversidade num dia a dia de conservação da natureza e qualidade ambiental, na defesa dos rios e oceano, árvores e animais, nossos fiéis companheiros desta jornada;
Por todos aqueles e aquelas a quem não chega bater na violência porque preferem evitá-la, e estarão na linha da frente criando o Observatório da Violência, que venha colmatar quantas carências estruturais se fazem ainda sentir actualmente no que respeita aos Direitos Humanos e aos Direitos da Criança, à Carta da Igualdade de Género e no combate às condutas que veiculam a Violência Doméstica.

Ou seja, em Portugal como em Portalegre, os candidatos do POUS além de atentos estarão activos, além de solidários serão positivos, e muito para além dos problemas estarão sempre preocupados em criar, inovar, desenvolver, providenciar as soluções, interceder com lucidez, disponibilidade, rigor, ética e sensatez, intentando no destino para mudá-lo com sonho e galhardia.
Porque o POUS é o Dez (X) da diferença num Voto pela participação em consciência

9.16.2009

IV EXPO ENERGIAS RENOVÁVEIS & MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E IV ALGARVE GREEN VEHICLE CHALLENGE
Semana Europeia da Mobilidade/ BAIXO GUADIANA SUSTENTÁVEL 2009
MONTE GORDO, 19 a 22 de Setembro de 2009


Nesta 4ª edição a EXPO ENERGIAS RENOVÁVEIS & MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 2009 - que é de entrada livre - é a maior exposição a nível nacional exclusivamente dedicada às energias renováveis e à mobilidade sustentada. Esta iniciativa englobará um variado conjunto de actividades, das quais se destacam Seminários, Sessões de Cinema de Educação Ambiental "Cine-Eco", Workshops de reutilização de materiais, uma visita guiada à Central Fotovoltaica da Amareleja (considerada como um caso exemplar de aproveitamento de energias renováveis), disponibilização gratuita de bicicletas, monitorização do ar/ruído etc.

Dada a extrema falta de informação que ainda existe sobre estas matérias, esta "testing expo" permite a todos os cidadãos, de forma gratuita, experimentar todos os tipos de veículos amigos do ambiente existentes no mercado, e no que diz respeito às energias renováveis, ver os equipamentos devidamente ligados e a funcionar por forma a serem comparados.

Para esta exposição que se realizará de 19 a 22 de Setembro de 2009, em Monte Gordo - integrada na Semana da Mobilidade/ Baixo Guadiana Sustentável com o apoio da CM de Vila Real de Santo António, numa organização conjunta da Odiana e do site www.algarverenovavel.com - confirmadas estão já 30 entidades públicas e privadas, das quais 11 grandes empresas de energias renováveis (algumas ocupando dois stands, dada a quantidade de equipamentos que trazem), tais como a Solar One, JORO, Guadiclima, Natural Energy, Just4sun, Guaditubos, Enernatura, Solar Panels 4u, Alren, TáSol, e Alsolar , pelo que poderão ser vistas das 16:30 ás 24 h. as melhores marcas de painéis solares térmicos e fotovoltaicos, aproveitamento da energia eólica, geotermia, biomassa, fornos solares, etc. Muitas destas empresas dedicam-se à instalação de equipamentos de micro-geração (que permitem a venda à rede de electricidade gerada a partir de energia solar), estando praticamente todas as opções e marcas existentes no mercado presentes, devidamente montadas e a funcionar, numa altura em que existem incentivos fiscais e económicos a este tipo de investimento ambiental.

A esmagadora maioria da população não tem ainda a noção que gasta mais energia em casa para aquecer água (seja com esquentadores a gás ou cilindros eléctricos) do que em todas as outras aplicações eléctricas juntas...E também desconhece que um equipamento solar térmico convencional de termosifão está actualmente a preços tão acessíveis e tem incentivos fiscais que num curtíssimo espaço de tempo (cerca de 2 anos) fica totalmente pago, podendo-nos livrar do gás em casa, que para além do seu elevado custo (apesar de engenhosas campanhas publicitárias com garrafas "mais leves", o seu preço é extremamente pesado) e incómodo (carregar botijas de gás para casa uma vida inteira é tudo menos cómodo), e perigoso... Por contraponto, a energia solar é eterna, vai ter directamente e de forma constante aos nossos telhados e é gratuita!
Os custos dos equipamentos solares térmicos baixaram tanto, que há equipamentos solares de termosifão para aquecimento de águas domésticas desde pouco mais de 800€, ora em termos de deduções fiscais uma família que adquira um equipamento solar térmico pode abater no IRS mais de 700 €, pelo que há certos equipamentos no mercado que praticamente ficam pagos logo após a sua instalação!
No que diz respeito aos vários veículos amigos do ambiente à venda em Portugal, poderão ser vistos automóveis eléctricos, automóveis hibridos, automóveis solares, automóveis a bi-fuel, scooters eléctricas, Bicicletas eléctricas, Segways, Easy-gliders, City cruisers, entre outros. Estarão presentes a Megasport, Algarve By Segway, MS Car, Futi, entre outras. Muitos cidadãos desconhecem ainda que, para além dos incentivos fiscais actualmente existentes, existem scooters eléctricas à venda a partir de 1300 €, bicicletas eléctricas desde 700 €, easygliders desde 500 €, Segways desde 6800 €, automóveis eléctricos desde 8500 €, etc.
No dia de encerramento
– Terça-feira, dia 22 de Setembro–Dia Europeu Sem Carros, realizar-se-á o IV ALGARVE GREEN VEHICLE CHALLENGE, uma prova única a nível nacional, na qual apenas podem participar veículos realmente amigos do ambiente, automóveis eléctricos, automóveis solares, automóveis híbridos, scooters eléctricas, Bicicletas eléctricas, Segways, Easy-gliders, City cruisers, entre outros.
Outros pontos de interesse desta exposição são a presença da Biocar, Hidrogenpower e Tozeve que disponibilizam kits agora existentes no mercado para tornar os veículos convencionais muito mais amigos do ambiente. O seu carro convencional poderá passar a andar a óleo alimentar usado, a hidrogéneo ou a electricidade.
Os seminários que se realizarão a partir das 17h. do dia 19 de Setembro de 2009 serão organizados pela CM de Vila Real de Santo António, em conjugação com a Associação Odiana e CCDR-Algarve/Enterprise Europe Network.
Por sua vez a ALGAR, a Ecoteca de Olhão, Quercus, a Universidade do Algarve(Escola Superior de Engenharia) e a Tá Sol desenvolverão diversos workshops ensinando a miúdos e a graúdos como reutilizar os materiais para fins úteis, a bem do ambiente.
Porque a Semana do Baixo Guadiana Sustentável procura chamar a atenção para diversas preocupações ambientais desta zona transfronteiriça do Algarve, estarão presentes nesta iniciativa, para além da edilidade anfitriã - a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António - também a CM de Castro Marim e a CM de Alcoutim.
São portanto muitos os pontos de interesse para não faltar a esta exposição! Aguardamos a Vossa visita , e se tiver algum veículo amigo do ambiente, inscreva-se a título gratuito no Algarve Green Vehicle Challenge, que irá para a estrada pela 4ª vez no dia 22 de Setembro, ás 10:30h em Monte Gordo.

Pela Comissão Organizadora,
António Brito Tel. 964144312
Silvia Lourenço Tel. 964521295

Mais informações em
www.algarverenovavel.com

Quanto a alojamentos (tendo em conta que ainda estamos em época alta) os preços de quarto de hotel para alojamento perto do local da exposição (Monte Gordo e Vila Real de Santo António) são os seguintes:

Hotel Navegadores (Monte Gordo)
Duplo com peq. almoço - 60 euros
Single com peq. almoço - 40 euros
Contacto: 281 510 860

Residencial Coração da Cidade (Em VRSA)
Duplo com peq. almoço - 50 euros
Single com peq. almoço - 40 euros
Contacto: 281 530 470

Vista Real Hotel (Castro Marim )
Duplo com peq. almoço - 45 euros
Single com peq. almoço - 35 euros
Contacto
: 281541305
mail@vistarealhotel.pt

9.08.2009

A única Oposição que é Aposta e Oposta

A grande diferença entre as ditaduras e as democracias, é que nas primei­ras, depois de se estabelecerem, tendem a manter-se inalteráveis anos e anos, e as segundas, a única constância a que se autorizam, é a de estarem eternamente em mudança, e constante questionamento alternativo, tomando dia após dia novas qualidades, progredindo, avaliando-se, melhorando-se, estilizando-se como rectificando-se, aprofundando-se e alargando a sua base de sustentação, aumentando a sua transparência, responsabilidade, emancipação, auto-suficiência, determinação ética, consciência, autonomia e justiça, posto que se nos opusermos ou não lhe proporcionarmos essa mudança, aliás inevitável, então ela se solidificará naquilo que possui de pior, quer pelos recursos como pelos resultados, na sua apetência tentacular pela representatividade e corporativismo, instrumento do establishment que favorece a manipulação conivente pelas elites que, ao assumir o poder se transformam nele, interpretam o seu interesse e benefício como um bem geral, o usam para fins privados e pessoais, e para defesa desse estado de graça se socorrem do politicamente correcto e do paradismo, inspirando e premiando aqueles que melhor incutem a apatia, o laxismo, a acomodação, bonomia, conservação e estilo maneirista, a institucionalização da corrupção, que tal como a pescada que já o era antes de o ser, derivará naquilo que nos sucedeu, na década de vinte do século passado, que foi o caldo de crise e charlatanismo, que facultou a implantação da ditadura salazarista, estruturada e fundamentada no Estado Novo Corporativista, que nos hipotecou o futuro a ponto de ainda lhe andarmos a pagar as contas, no atraso e qualidade cívica, a cumprir suseranias e vassalagens, a acatar ordens estapafúrdias, festejar datas e celebrar rituais de significado muito suspeito.
Naquele tempo também havia crises mundiais e nacionais, corrupção generalizada e falcatruas financeiras, golpes palacianos e impérios de comunicação ou imprensa massificada, que fragilizaram, corroeram e minaram as estruturas e instituições democráticas da sociedade portuguesa, sim, havia!; e havia despedimentos a eito, e grassava a insegurança e arrivismo político, com respectiva implementação do corporativismo através da violência e banditismo, tal e qual como hoje há, também naquele tempo havia – sim, havia! E pasme-se com o realismo, que até naquele tempo havia eleições livres e democráticas, quase tão livres e tão democráticas como hoje há, em que os partidos da situação “democrática”, dessa democracia que se fundamenta na representatividade e imagem pública das corporações, tinham mundos e fundos para disseminar a sua Boa Novafoi boa, foi!!... –, tal como hoje têm (: PS – 5, 5 milhões de €; PSD – 3,5milhões de €; PCP – 2 milhões de €; BE – 990 mil €; e CDS – 850 mil €), e as demais forças políticas só têm o que cada um dos candidatos dá, ou uns quantos beneméritos que lhe vão comprando a “propaganda” ao preço de militante, demonstrando que isto da mensagem democrática é uma questão de quem mais tem e melhor se avém, que há hoje em dia tal como naquele tempo havia. Sim, havia!, e vejam no que deu, onde foi que meteu, Salazar a democracia!
Portanto, o que mais importa nestas eleições legislativas, não se resume apenas a eleger mais um deputado igual àqueles que já lá estão, que já demonstraram quão bem e rendosamente conseguem defender e representar quem os elegeu, assumindo o seu voto como se de uma procuração se tratasse, e ficassem por isso, imbuídos do poder divino e faraónico de decidir por outrem, mas sim marcar e sublinhar que há uma diferença fundamental e irrevogável entre os que defendem a transparência e o progresso, e os que se entretêm nos bastidores da suserania e baronato a intrigar e endinheirar (ou enriquecer); que há uma diferença fundamental e incontornável entre os que pugnam pela partilha, responsabilidade e emancipação, e os que adulteram as instituições democráticas em favor dos interesses imediatos das corporações a que se encontram agregados; enfim, que há uma diferença abissal entre os que agem por medida ética em prol de uma democracia participativa da cidadania, e os que se avolumam em cargos de teres e carreiras de haveres ao nome de fulano e sicrano, e cavalgam na política com a missionária atitude da representatividade corporativista, outorgando-se arautos de quantos se omitiram através do seu voto.
Isto é, o que está em causa, é saber se nós, portugueses, estamos dispostos a ficar na mesma, arriscando o futuro por tuta-e-meia de ilusão e insustentabilidade, ou deveras queremos melhorar a nossa qualidade de vida, o nosso modelo económico e político, estar disponíveis para avançar rumo à sociedade aberta, participada onde imperam os Direitos do Homem e a harmonia do ecossistema. É saber se devemos pôr mais um deputado igual aos que já lá estão, ou pôr lá alguém com o sotaque da liberdade, porque partilha do nosso quotidiano, anseios e dificuldades. É Votar em qualquer partido da situação, ou Votar POUS, que é a única oposição que lhes conhecemos, e se lhe reconhece.
Repito: ou votar POUS, que é a única oposição que lhes conhecemos, e se lhe reconhece!

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue