9.10.2016

RENASCIMENTO




RENASCIMENTO 

Era tão difícil a poesia
Sem teu olhar, que nada sou
Se sem ele me perco no dia
A esbracejar, mas não voo… 

Eram tão dolorosas, as horas
Com cada minuto forçado, 
Quase chicotes, esporas
De flagelar meu eu acabado… 

Porém, a estrela cintilou
E o escriba azedo, calado
Por magia desentristeceu;

Que a brisa amena voltou
Soltando o poema encerrado
Nas tristes grilhetas do breu! 

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue