1.24.2017

DIZER ALUCINADO




ALUCINADO DIZER

Se saiba, pois, que de toda poesia
Apenas um verso me chega:
É estender o braço e tocar-te
Meu sonho, meu grito de arte, 
Memória que ao presente se confia
– Presente que ao futuro se entrega.

Porque amar-te é também porfia
Insistência que à rima prega
Musa contínua, inspiração constante,
Renovada luz que a sorrir existes
Flor que nenhum verão, porém, secará
Quando na palavra a beleza permites
Onde quer que esteja, onde quer que vá.

E se digo agora o teu nome durante
Os amanhãs que nasceram já ontem, 
É por sentir que serei sempre infante
Pajem fiel da suserana estrela, rainha
Alucinação que ilumina e nunca cega
Real encarnação terreste de Arina
Por cujos cabelos a poesia me chega.  
Por cujos raios o dizer se alucina! 

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue