11.12.2010

Outra notícia que importa não deixar cair no esquecimento... Sobretudo quando se está prestes a fechar o balanço de 2010, repetindo o que foi feito em anos anteriores.


O Pedido de Adesão de Portugal às Comunidades Europeias: aspectos Político-Diplomáticos


Este ano o ensaio vencedor do Prémio Jacques Delors tem por título «O Pedido de Adesão de Portugal às Comunidades Europeias: aspectos Político-Diplomáticos» e é da autoria de Francisco Niny Pereira de Castro.

A obra, refere todos os aspectos políticos e diplomáticos do pedido de adesão, bem como os aspectos mais significativos do debate e preparativos que antecederam a iniciativa do governo português ao fazer o pedido de adesão de Portugal às Comunidades europeias. Assim, esta obra, torna-se uma leitura indispensável, justamente no ano em que se comemoram 25 anos de assinatura do tratado de adesão
Segundo o editor, «A adesão às Comunidades Europeias é a decisão estratégica mais importante do regime democrático português. Terminado o ciclo do império, o pedido de adesão de 1977 significa a construção de um novo lugar no mundo e a procura de uma nova identidade para Portugal. Mas é também um «seguro» para o novíssimo regime democrático, e, ainda, um possível trunfo político para o I Governo Constitucional.
Para os nove Estados-Membros da CEE, a adesão portuguesa só podia ser pensada no contexto ibérico e no avanço da democracia parlamentar na Europa. O pedido de adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia foi antecedido por um período de sondagens diplomáticas e por contactos directos entre o Primeiro-ministro português e os seus homólogos europeus, em Fevereiro e Março de 1977.
Este livro fala sobre os aspectos político-diplomáticos desta iniciativa portuguesa.»

A obra encontra-se disponível para consulta e empréstimo na biblioteca do CIEJD, e está à venda nas livrarias da especialidade.

O júri decidiu, ainda, atribuir três menções honrosas, pela excelência dos trabalhos de: Mafalda Alexandra Lobo Pereira da Silva, pela obra A Imagem de África na Imprensa Europeia: O caso da Cimeira UE-África em Dezembro de 2007, Maria Dulce Tavares Martinho, pela obra A França na Reflexão Europeia de Eduardo Lourenço e Vanda Raquel Alves Pacheco, pela obra Entre a fobia da cigarra e a apologia da formiga: a Inclusão Activa e os Esquemas de Rendimento Mínimo na Europa.

O Prémio Jacques Delors é um galardão instituído, em 1996, pelo Centro de Informação Europeia Jacques Delors, patrocinado pelo Banco de Portugal e atribuído por um júri constituído por personalidades nacionais de reconhecido prestígio e mérito científico.

A distinção visa incentivar o aparecimento de obras inéditas sobre temas comunitários, em língua portuguesa e é atribuída ao melhor estudo académico apresentado, sobre a temática.

Todos os anos os candidatos são convidados a apresentar os seus trabalhos até 16 de Novembro, sob as condições do regulamento. Os trabalhos podem abranger teses de mestrado e de doutoramento que não tenham sido objecto de publicação.

Aproveite para conhecer também outras obras distinguidas pelo Prémio Jacques Delors em: http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe?p_cot_id=632&p_est_id=2558
Importa não esquecer...




Mostra de documentários europeus

A Associação pelo Documentário (Apordoc) organizou uma mostra de documentários europeus para assinalar o Dia da Europa (9 de Maio), em resposta a um concurso lançado pelo Centro Jacques Delors, enquanto Organismo Intermediário da Comissão Europeia.

O Doc_Europa II exibiu 27 filmes (um de cada país membro da União Europeia), de acesso livre e gratuito, no Porto, na Fundação de Serralves entre 7 e 9 de Maio e em Lisboa, no Instituto Franco-Português, entre 14 e 16 de Maio, de 2010.

Este festival documentário visou a diversidade cultural da UE, sugerindo uma reflexão sobre o lema: «Afirmação da União Europeia no Mundo».

Segundo a Apordoc, «afirmar inteiramente um projecto como a União Europeia é afirmar com temperança, sem excesso, integrar nessa afirmação o bom e o imperfeito. Afirmar é, nesse sentido, enfrentar os medos sem os sentir como ameaça - velhice, imigração, pobreza, doença, desgaste ambiental, tensões entre tradição e modernidade, transformação dos modelos de família, mudança política, sexualidade. Enfrentar medos com um olhar honesto e frontal é tratá-los sem artificialismos ou fugas. O cinema mostra ao mundo como fazê-lo.»

Esta foi uma iniciativa da Comissão Europeia, através da sua Representação em Portugal, promovida pelo Centro de Informação Europeia Jacques Delors, enquanto Organismo Intermediário e foi executada pela Apordoc

Para informações complementares, há “notícias” nos sítios seguintes, que também ajudam ao escoramento do assunto: http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe?p_cot_id=4975&p_est_id=10821
http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe_area?p_cot_id=6168&p_est_id=12864

http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe?p_cot_id=6259&p_est_id=13041
http://ec.europa.eu/portugal/comissao/index_pt.htm

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue