1.02.2020

GRATIDÃO






Devo-te a liberdade...
Obrigado por não gostares de mim!
Graças a ti, vivo numa cidade
De sonhos, flores e marfim.

As ruas são todas planas
Prédios acessíveis.
Não há palavras em flamas,
Os horários primam por flexíveis.

E, às vezes, quando apareces,
Antecedendo o boato e o rumor,
Parece que apodreces
Só pra exalar o sutil perfume do fedor.

Joaquim Maria Castanho
in CONFISSÕES E OUTRAS MÁGOAS

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue