9.24.2003

Vamos lá a contar histórias importantes sobre as histórias que lemos... Ninguém precise de cingir-se ao enredo de um romance só porque foi outro a escrevê-lo e a inventar as personagens... Cada pessoa que lê um livro é já de si outra personagem que lhe entra para dentro. E que leva consigo a bagagem da sua experiência, o seu dia a dia e as impressões que os demais nele "inseriram"...
Estamos a atravessar um ligeiro impasse na leitura... Muito pouco tempo, e raras páginas por dia. É difícil gerir solicitações do dia a dia com apetências que podem esperar por melhores dias. A urgência de leitura de um texto que se tem ou a que podemos recorrer sempre que nos der na gana, faz com que descuremos essa nossa prioridade anterior, e lhe atribuamos menor estatuto. Mas não pode ser... É preciso ler todos os dias, sobretudo se é uma obra deste quilate. Robert A. Heinlein é um autor que nos exige dedicação pois também escreveu com entrega total. A quantidade de textos, títulos a que poderíamos chamar segundários, inverte os conceitos e contraria o ditado "que muito e bem não o faz ninguém". Ele escreveu muito, e, embora haja quem considere a ficção científica (FC) um género menor, fê-lo com preocupações literárias e estilísticas. Transformou e recuperou a FC, dignificou-a, deu-lhe uma função que mais nenhum outro género ocupou até aí: tornou-nos objecto científico, nós, os seres humanos, aqueles que ainda mal eram estudos em sociologia e psicologia. Disse-nos que podíamos trabalhar cientificamente o ser e o estar, bem como o sonhar colectivo, para além da medicina e da psicanálise, mas em confronto com outros e estranhos modos de estar e ser na realidade.

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue