11.10.2010

A Fundação Calouste Gulbenkian, em colaboração com o Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, promove um ciclo internacional de conferências intitulado Image in Science and Art, que terá início a 17 de Novembro, às 18.00, com a conferência “Taking it on Trust” in Images of Nature e que será proferida por Martin Kemp, reconhecido investigador da obra de Leonardo da Vinci.
______________
Martin Kemp dedica-se ao estudo de imagens na arte e na ciência desde a Renascença até aos dias de hoje. É autor do livro Leonardo da Vinci que lhe valeu o Prémio Mitchell. Foi curador da exposição Leonardo da Vinci, na Hayward Gallery de Londres. É organizador e co-autor do livro The Oxford History of Western Art.

INFORMAÇÕES
Rita Rebelo de Andrade SERVIÇO DE CIÊNCIA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A – 1067-001 LISBOA
T. 21 782 35 25 E.
scienceandart@gulbenkian.pt www.gulbenkian.pt
W.
www.gulbenkian.pt/scienceandart
Videodifusão
http://live.fccn.pt/fcg

IMAGE IN SCIENCE AND ART


São inúmeras as relações e interacções entre ciência e arte. Mas convém não cairmos em generalizações fáceis e pensar que tudo se assemelha, que é fácil estabelecer pontes entre os vários domínios do conhecimento. Exactamente por corresponderem a linguagens especializadas e de grande precisão, as ligações conseguem-se recorrendo sobretudo às componentes mais tácitas, à expressão das emoções, à infraestrutura de sensibilidades em que estamos mergulhados, ao espírito da época. Em cada tempo histórico estas relações mudam e importa compreender aquilo a que se dá valor essencial no presente.

A arte foi um vector poderoso de transmissão de valores e de cultura durante milénios, tendo-se tornado num instrumento consciente de libertação e de emancipação do homem somente há pouco mais de um século. Mas o artista, como sujeito, é parte do objecto que retrata, é inseparável do seu modelo, da sua escolha. Por outro lado, a ciência moderna foi marcada desde o seu início pela emancipação e capacidade de objecção dos seus praticantes, que sempre pretenderam (em última análise) eliminar o sujeito do quadro de observação da realidade – tal era a ânsia de universalidade na descrição dos fenómenos naturais que os animava. Aqui reside em grande parte o abismo entre a arte e a ciência. Mas estes saberes partilham igualmente estratégias comuns: quer a arte, quer a ciência, precisam de ser públicas (ou publicadas). É este o critério último da verdade que pretendem transmitir.

Pensamos assim que a série de conferências sobre a imagem na ciência e na arte que a Fundação Calouste Gulbenkian realiza, em colaboração com o Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, é um excelente modo de revisitar todas estas questões, pela qualidade e diversidade dos oradores, bem como dos temas que vão debater com o público. Pensamos também que servirão como um pertinente revelador das rupturas e das inquietações que nos acompanham neste século XXI.
Julho 2010.

João Caraça

Director do Serviço de Ciência da Fundação Calouste Gulbenkian


Abstract
“Taking it on Trust" in Images of Nature
Images in the natural sciences exploit visual rhetorics (invented in art to some extent) to put us in the position of a virtual witness, to convince us of the reality of the image, or are used to assert the irrefutable precision of the visual data. They also play into the social settings for the production and marketing of the books in which they appear. The examples will extend from the Renaissance to the present day. Then as now we take a good deal "on trust" when accepting the veracity of a representation.
______________
Martin Kemp has written and broadcast extensively on imagery in art and science from the Renaissance to the present day. Leonardo da Vinci has been at the centre of this endeavour, and has been the subject of a number of his books and exhibitions, including Leonardo (Oxford University Press, 2004). His wider research has involved the sciences of optics, anatomy and natural history in various key episodes in the history of naturalism. In 1989 he published The Science of Art. Optical Themes in Western Art from Brunelleschi to Seurat (Yale University Press).
Increasingly, he has focused on issues of visualization, modeling and representation. The broad thrust of more recent work is devoted to a "New History of the Visual," which embraces the wide range of artefacts from science, technology, and the fine, applied and popular arts that have been devised to create models of nature and to articulate human relationships with the physical world. A scientific diagram or computer graphic model of a molecule is as relevant to this new history as a painting by Michelangelo. He writes a regular column on 'Science in Culture' in the science journal Nature, an early selection of which has been published as Visualisations (OUP, 2000). Many of the themes of the Nature essays are developed in Seen and Unseen (OUP 2006), in which his concept of 'structural intuitions' is explored. Forthcoming books include The Human Animal (Chicago).

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue