2.10.2017

ORA SIM, ORA NÃO




ORA SIM, ORA NÃO

Pelo copiar da porta
Vejo-te cirandar na cozinha… 
Apareces, desapareces, apareces
(És "viva" silhueta no instante)
Desapareces; e ficas "morta". 
Mas essa morte é só minha. 

É um sucumbir circunstante, 
Quase omitir do eu total
E dessa parte tão importante
Que nos edifica pelo plural
– Ou gestos de elucidar a voz
No fluir do rio dos rios de nós, 
Se somos no azul a claridade –
Ouro na cinza que à luz exorta
Como se plo copiar da porta
Te visse a cirandar na cozinha
Aparecendo, desaparecendo, 
Ser e não-ser, ora sim, ora não, 
Tal e qual qualquer estrelinha
Sendo e não sendo, cintilando
Lá em cima – bem-bem no fundo
Do cor... que... ora sim, ora não!

Joaquim Maria Castanho 

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue