2.08.2017

MISTÉRIO DE ARINA




O MISTÉRIO DE ARINA

Tal-qual unha felina
O amor, por ser retrátil, 
Traz o mistério de Arina 
Ao ser vivo – ao ser fértil.
Alinha dum mesmo jeito
A quantos da perfeição, 
Ganharam já o defeito
D'ouvir o que têm no peito,
Só plo tum-tum do coração. 

Que a vida pra ser lida
Não carece d'alfabeto: 
É unhada repetida,
Noite em dia convertida,
Num parágrafo completo. 

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue