1.31.2019

O MANTO DA TARDE


   



MANTO VESPERTINO

No meu mar, as ondas são poalha
Qual espetral viajante celeste,
Que raro despeja água no chão silvestre...
Mas às vezes calha!

O azul é plúmbeo, o mar pebleu
E aquilo que nele voga almas são
De estranha forma, trôpega locomoção...
Exatamente como eu!
No mar que nada de mar tem
Sequer o azul marinho que espelha o céu,
Nada navega, nem escolhos, nem ninguém
Além do manto da tarde
Onde não arde nenhum véu!

Joaquim Maria Castanho


1.30.2019

ESPERAR É PORFIAR





QUEM ESPERA NÃO DESISTE

Quando nuvens se abatem sobre nós
E o teto do céu fica rasteiro,
Pesado aos dias, do nascer à foz
Ninguém aufere as horas por inteiro...
Algumas demoram passar, presas a retrós
Desde as mãos do tempo seu condutor,
Cujas rédeas de gris são própria voz
Instigando-as, carroceiro desamor.    
E outras, se passam, fazem-no por favor
Preenchidas de lentidão afetada...
Que desavindas, e já falhas de calor
Aspergem de frio a terra amarrotada.

É nelas que a esperança arredia
Se vê fraca, tonta, zonza... Porém porfia!

Joaquim Maria Castanho 
 

1.29.2019

TANTA GENTE VI E SÓ UNS OLHOS NÃO ESQUECI






TANTA GENTE VI E SÓ UNS OLHOS NÃO ESQUECI...

O meu sonho prendeu-se ao teu olhar
Disse o que preferia nunca dizer,
E anda agora com o verbo esperar
Na espera que lhe voltes a acontecer.
Se culpasse, fosse do que fosse, meu ser
Por se sentir em teus olhos naufragar,
Havia também de culpar o querer viver
Pois que sem eles me vej'a desesperar.
E desespero plo que quero e não quero
Vivendo entre tudo crer e não ver nada,
Que só a teus olhos sou e me esmero
Por ser com alma por mil multiplicada.

Coisa de pouca monta em tão grande grei
Não fosse ess'olhar único a que me dei!

Joaquim Maria Castanho

1.27.2019

AI ( I )


   



AI (I)

Qual um ditongo breve
Ápice de iniciação,
É ele quem nos inscreve
Desde o berço à nação.

Traz do limbo o sentido,
Do verbo o crer ser ação,
E quando já não serve
Ei-lo de grito perdido:
Ferve já vulcão ferido
Rasga breus, imensidão.

Dizem-no singular pessoa
Alguns, de estranha fala,
Mas toda a gente que voa
Caia ou não, nunc'ò cala.

Joaquim Maria Castanho

1.26.2019

VER É DEMONSTRAR







VER É DEMONSTRAR

O meu poema
Não sabe recordar...
Não sabe esquecer...

É um teorema
Onde o verbo amar
Vive pra demonstrar
Quanto importa viver!

Joaquim Maria Castanho



MAGIAS E ENCANTAMENTOS




 MAGIAS & ENCANTAMENTOS

1.

Há poemas que são deliciosos,
Que se desfazem no palato...
Tão fofinhos e tão cremosos
Que apetece lamber o prato.

Não lhes sei os ingredientes,
Nada conheço da confeção;
Mas são feitos plas nossas gentes
Com os saberes do coração!

Joaquim Maria Castanho


 

1.19.2019

Pela chuva que cai... Gratidão!






Olha eu, da chuva, com saudade...
E era coisa que nem sabia.
Por este andar, até da verdade
Vou ter saudade algum dia!
Joaquim Maria Castanho

1.10.2019

AS PINCELADAS DO TEMPO




AS PINCELADAS DE CRONOS 

Já triplo cinzel me cerziu
Matriz enfim, choro, grito
Desbastam, gastam por cicio
Só de metal frio, aflito... 

Como terá acontecido?
Sob que mistério, assim
Presente, futuro ou ido
Passado tornam granito
Pra se "assentarem" em mim? 

Nascem das sombras, num torpor
Rústico, desajeitado; 
Às vezes, merecem amor 
– Outras, apenas cuidado. 

Joaquim Maria Castanho
Com escultura de João Aires Garcia

1.06.2019

RUBRO OCASO




RUBRO OCASO

Do lídimo olhar, atento
Esgar mínimo, diverso
Nasce a cor deste verso
Tão submerso sentimento
Em que ocaso m'invento
Na tarde aguda, fria
Quase farta de tudo
Até do silêncio mudo
Onde pasce a poesia... 

E logo qu'ela eclode
Traz no rosto, no perfil
A magia de quem pode
Mais qu'm cravo de abril! 

Joaquim Maria Castanho



1.03.2019

PASSADA BREVE




PASSADA BREVE

Aproximo os lábios dessa rosa
Que não digo, nem me pica:
Estico o verso até parecer prosa
Cujo sentido não estica... 

E no balanço alcanço o chão.
Calco-o simples, andamento
À espera duma ilusão
Terra a terra, rasa fica
Pra nada segurar em si... 
Nem a brisa, a luz, o vento... 
Algo que não sei – nem esqueci!  

Joaquim Maria Castanho

1.02.2019

AURÍFERO BARRO




AURÍFERO BARRO

Há oníricas argilas
Escorrem dos ocasos
Pingam, almas acesas
Gotas incandescentes
Tal destilo, se destilas
Os sonhos e surpresas
Na plástica da tarde... 

É luz que não fenece
Mesmo anoitecida
Capaz de gerar vida. 
É calor que não arde! 

Joaquim Maria Castanho
Com foto de Zélia Mendes

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue