2.19.2017

MEMÓRIA




MEMÓRIA

Se nada se perde também
Nada se tem para sempre, 
Que ser é contínuo vaivém
Entre os céus e o ventre 
Da Terra, essa mulher-mãe
D'humanos, filhos diletos
Nos dois géneros completos.

E fraternos igualmente
(Irmanados em igualdade), 
Mesmo que a insana gente
Creia omitir a verdade…
Porque nada se perderá
Nem sequer o que já não há! 

Joaquim Maria Castanho

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue