11.02.2004

AS COGITAÇÕES DE XERAZADE (3)

Reza por reza, então, cá vai!...

Foi-nos garantido pela Comissão Europeia que, além de não cumprirmos três dos mais sonantes critérios do Pacto de Estabilidade (défice de 3%, dívida de 60% do PIB e descida do défice estrutural de meio ponto), bateremos o recorde dos países em march'atrás, porquanto o nosso nível de vida, embora o nível de vida médio europeu tenha sido recalibrado por baixo com o alargamento aos 25, sofrerá contínua descida até 2006, pelo menos, altura em que a relação PIB per capita descambará até aos 72,7 %, sendo de supor todavia que não se fique por aí nos anos consequentes, mas sim que mantenha a embalagem de queda, pois que o relatório mais não adianta nem vaticina, provavelmente com a explícita intenção de dar a Fátima os créditos por milagre nos quatro anos que faltam aos dez primeiros do III Milénio. E tanto faz reclamarmos como não, que os números são impávidos e não se deixam comover com rezas ou velas, ainda que os políticos tenham feito tanta cera que dê para fabricar uma do tamanho de Portugal, para oferecer à Senhora a fim de a influenciar no milagre da nossa recuperação, e que Cavaco acenderia com boa fé desde que pudesse chegar-lhe o facho presidencial ao pavio!... (O que se me assemelha a mais um milagre, se considerarmos que se não é eleito somente pelas sondagens Expresso-Sic mas sim por votos expressos em urna, e que não é lá pelo facto de a Direita ter já quatro candidatos ao cargo - Freitas do Amaral, Marcelo Rebelo de Sousa e Pinto Balsemão, ainda que este seja só para disfarçar, como os cabelinhos na anedota do ovo - "qual é a coisa, qual é ela, que cai no chão fica amarela e com três cabelinhos à volta", lembram-se?!... -, e a Esquerda nenhum que a primeira ganhará, visto que se a segunda apresentar alguém que reuna consenso, torna indubitavelmente verídico o ditado popular de que "caga mais um boi que mil mosquitos", batendo logo à primeira volta Cavaco ou qualquer outro!)
Portanto, seria de bom tom que se acabasse de vez com a pistoleirice política, aliás prática igualmente pronunciada com o pedido de ratificação referendária, em que os políticos já aceitaram o Tratado de Constituição Europeia, mas querem agora que em Maio lhe batamos com um "sim" na suã, para que se garanta a substancial entrada de fundos que eles continuarão a repartir entre si, estando-se bem lixando para qualidade de vida, vontade de cidadania, direitos e liberdades dos demais portugueses, sobretudo dos trabalhadores por conta de outrem e empresários, que além de condenados a verem desbaratar a receita dos impostos e contribuições, terão que continuar a assistir à ostensiva riqueza dos gestores públicos, autarcas, ministérios e dirigentes vários, quer nos chalés de luxo das arrábidas que constróem no nosso parque, quer nas frotas topo de gama em que se locomovem.
Porque se ao povo são ouvidas as preces e rezas, é bem provável que o marquês venha cá a baixo outra vez, e torne inoperantes as teorias prevalecentes da conspiração cabalística, do bode expiatório, do braço de ferro político, do princípio do contraditório, da profundidade utópica ou da recuperação medieval esclavagista, tudo numa assentada e só acto da peça denominada simplesmente pelo "DESPERTAR DOS MÁGICOS" - ou aqueles que acreditam ser possível mudar o status quo, e não se sentem vocacionados para eternas vítimas do sistema, ainda que democrático lhe chamem, à falta de melhor termo com que classificar a oligarquia político-económico-religiosa reinante.
Principalmente porque se nos mandam rezar a gente pode radicalizar, e pedir também nas preces que a Senhora nos liberte igualmente de políticos, e, ouvidos nos pedidos, Fátima nos contemple com o milagre, que é coisa assim parecida com as bruxas de Unamuno, que não se crêem existir mas que sem dúvida há! Pois.

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue