2.01.2017

O TALÃO PREMIADO





TALÃO PREMIADO 

Eu definhava, por saudade
E não sabia; pois, moribundo
Julgava entender o mundo
Nessas linhas que tão-só lia
No céu – traços sobre a cidade
A marcar, pla vida, passagem
Que nem fosse ela apenas viagem… 

Todavia, e numa recaída, 
Eis-me de volta dessa "morte"
Embriagado pela sorte
Neste bilhete, assim, tida
Por não ser ele só de ida! 

Joaquim Maria Castanho 

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue