12.05.2016

MANOBRAS PERIGOSAS




MANOBRAS PERIGOSAS 

Se às vezes o canto se degrada
E o verso corrompe a medida, 
É por a poesia, se celebrada, 
Se desviar da própria estrada
Que determinou pra ser cumprida; 
E que por ser desvio, se desvia
Até das estabelecidas regras, 
Correndo nos caminhos que havia
Bem no meio dessas milhentas pedras
Que juntou, pra fazer os castelos
Onde sequer as nuvens alcançam 
Com palavras vis, defeitos tão belos, 
Imagens – operários sem martelos
Que em vez de martelar rimas, dançam! 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue