10.04.2011

NOTA EXPLICATIVA



Não posso fazer referência a esta colectânea sem antes abordar MOMENTOS DE POESIA – projecto que lhe deu origem e se afirmou durante quase três anos, sem qualquer interrupção. Actividade a decorrer mensalmente, sempre com um convidado diferente que falava da sua obra e a apresentava.
Nesses encontros, ao longo dos meses e anos, criou¬ se amizade, estabeleceu¬ se empatia, fomentou¬ se cumplicidade. Divulgou¬ se poesia, descobriram¬ se poetas, incentivaram¬ se amantes dessa arte. Para dar oportunidade a todos, poetas ou amantes da poesia, intercalava por vezes uma sessão colectiva, com tema pré-estabelecido. Numa dessas sessões, logo ao lançar o tema – Portalegre –, informei que esses poemas iriam ter continuidade: Uma Antologia. Alvitre bem aceite pelos presentes. Participei o projecto a todos aqueles que já tinham passado por MOMENTOS DE POESIA como convidados, também eles apoiaram a iniciativa.
Assim participam nesta Antologia os que marcaram presença como convidados de sessões individuais e aqueles que, com frequência, participaram nas sessões colectivas. É um projecto não menos delicado que o que lhe deu origem. O primeiro coube ao público avaliᬠlo. Este será o leitor a ter a palavra (a insatisfação e a dúvida, da parte da coordenadora mantêm¬ se)…
A obra divide-se em quatro partes:
PRIMEIRA PARTE – reúne, por ordem cronológica, alguns dos poemas dedicados a MOMENTOS DE POESIA.
SEGUNDA PARTE – inclui poemas dos poetas convidados (os que tiveram uma sessão individual).
TERCEIRA PARTE – agrupa poesia dos participantes nas sessões colectivas.
QUARTA PARTE – composta por poesia de José Duro, José Régio (seria inconcebível falar de Portalegre e de poesia sem mencionar os seus nomes) e Arlete da Paixão Correia.
As três últimas partes encontram¬ se organizadas por ordem alfabética do nome do autor.



Esta Antologia de tema comum – Portalegre – é tão rica na variedade dos participantes como na dos trabalhos. São óbvias as diferenças: cultura, faixa etária, estilo, vocabulário, experiência, rima, métrica… Preferi abster¬ me de apresentar considerações curriculares em relação aos autores para que, sem ideias preconcebidas, seja o leitor a tecer considerações.
É uma oportunidade de publicação para muitos, é uma banalidade para outros. Poetas ombreiam com amantes da poesia. Mais doutos não hesitam em ladear com menos letrados. Poesia erudita mistura¬ se com outra de cariz mais popular. Humildade de uns, ousadia de outros – a provar que a sociedade não existe estratificada (?) – cada um, em poesia, verso, prosa, elevou Portalegre à sua maneira, fez o melhor que conseguiu e tornou possível esta obra.
Diz¬ se que editar um livro é um acto de coragem. Eu acrescento que convidar para uma Antologia e organizᬠla exige dupla coragem…
O meu agradecimento é dirigido a todos: ao mais letrado que não hesitou, ao mais simples que ousou. Com o poetizar ou versejar de uns ou outros, com a forma de se exprimir de cada um, com a sensibilidade de todos se conseguiu esta miscelânea de sentires sobre Portalegre.
E porque, como diz o ditado, “quem dá o que tem mostra o que deseja”, se oferece esta Antologia à minha cidade, à nossa cidade, a PORTALEGRE. Obra tão simples como quem a organizou e oferecida com tanto amor, como entusiasmo cada um depôs na elaboração do trabalho que apresentou.
Compete-me expressar um GRANDE AGRADECIMENTO ao Dr. Fernando Mão de Ferro, das Edições Colibri, portalegrense que muito tem apoiado autores da região, e gentilmente se disponibilizou a, num curto espaço de poucos meses, editar esta Antologia dedicada a Portalegre, há mais de dois anos pronta, a aguardar apoio devido e edição…

Deolinda Milhano


ÍNDICE


Nota Explicativa

Prefácio


PRIMEIRA PARTE

Ó Poeta! – Deolinda Milhano
Momentos de Poesia” – Cesaltina Neves
Acróstico – José Branquinho
Quadra – Jaime da Cruz Soares
Tu, Poeta… – Deolinda Milhano
Parabéns – Maria José Almada
Bela Iniciativa – José Branquinho
Momentos de Poesia – Deolinda Milhano
Momentos de Poesia Comemora 2.º aniversário – José Branquinho
A um Poetismo Singular – António Matias
Agradecimento – Maria Filomena Rita Atraca
Até Breve… – Ermelinda Fernandes
Obrigada a Todos


SEGUNDA PARTE
Aires Plácido
. Poema à Cidade de Portalegre
. Princesa Alentejana
América Miranda
. Portalegre, Meu Encanto
. Para Ti Portalegre

António Jacinto Pascoal
. A Sessão Paulina de Portalegre
. Portalegre
António Matias
. Elegia a Cristóvão Falcão
. Meu Preito a José Duro
Carlos Garcia de Castro
. Os Sinos de São Lourenço
. “Orbis Pictus”
Daniel de Jesus
. (sem título)
. (sem título)
Fernando Pina
. Cinco e Meia nas Portas do Crato
. Às Oito Horas no Cimo da Rua de Elvas
Jaime da Cruz Soares
. Portalegre, Porta da Poesia
. Saudando Portalegre
João da Graça Silva
. Imagens da Minha Cidade
. Portalegre… Linda Cidade
José-António Chocolate
. Lugar de Memória e de Lembrança
. Tarde de Verão em Portalegre
José Garção Ribeiro Branquinho
. Musa Transtagana
. Cidade Mãe, Cidade Branca

Luísa Lopes da Silva
. Portalegre Cidade
. Portalegre em Flor
Maria Albertina Dordio Martins
. Portalegre, Meu Amor – Poema I
. Portalegre, Meu Amor – Poema II
Maria Cecília Carvalho
. Princesa do Alentejo
. Serra da Penha
Maria Isabel Corte Real
. Portalegre Minha Cidade
. Cegonhas de Portalegre
Manuela Cardoso
. Amores?... Enganos?...
Matos Serra
. Invocando Portalegre e José Régio
. Amar Portalegre
Natália Parelho Fernandes
. Portalegre, Magia
. Património Secular
Rosa Lapinha
. Trajectórias
. Tapeçarias de Portalegre
Rosa Maria Duarte
. Velhas Amigas…
. Só Fica a Saudade!...




TERCEIRA PARTE
Antónia Guerreiro
. Chama Que Cresce
. Breve Momento
Cesaltina Neves
. Cidade dos Sete Conventos
. Penha Verdejante
Cidália Maria Neves Henriques
. Portalegre, Cidade Bela
. És a Minha Cidade!
Deolinda Milhano
. Princesa Aquém-Tejo
. Portalegre Sua Alteza
Ermelinda Fernandes
. A Cidade e a Serra
. A Cidade Onde Nasci
Francisco Carita Mata
. De Portalegre Para Timor
Helder Faria
. Cidade Infinita
. Ladainha Geométrica
João Ribeirinho Leal
. Portalegre “Anos 70/Séc. XX”
Joaquim Castanho
. Foto Síntese
José Manuel da Costa Coelho
. Portalegre Altaneiro
Luísa Raposo
. A Primavera que Volta!
. Ode à Cidade

Maria da Conceição Cunha Soares
. Imagens
Maria de Jesus Trindade Mouta
. Portalegre e seus Espaços Sagrados
. Da Minha Janela em Portalegre
Maria Filomena Rita Atraca
. Outrora Portalegre
. A Nossa Identidade
Maria José Almada
. Portalegre – Terra de Encantos
. A Minha Cidade
Maria Mercedes Camoesas Fidalgo
. Recantos
Marta Fonseca
. Portalegre Lenda


QUARTA PARTE
Arlete da Paixão Corrêa (1923/1979)
. Amaia Fascinante
. Oh! Minha Amaia!
José Duro (1873/1899)
. (sem título)
. (sem título)
José Régio (1901/1969)
. Canção de Portalegre
. Toada de Portalegre

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue