4.16.2010

21 ABRIL 2010 18h00
A Beleza Matemática das Conchas Marítimas
Jorge Picado, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra

" O ano 2000, o último do segundo milénio da nossa era, foi devidamente assinalado como Ano Internacional da Matemática. Inúmeras actividades, comunicações e eventos envolvendo a matemática tiveram lugar no decorrer desse ano. A Fundação Calouste Gulbenkian associou-se naturalmente ao movimento que dinamizou as acções ligadas ao Ano Internacional da Matemática e decidiu instituir uma nova iniciativa de apoio neste campo. Surgiu assim o Programa Novos Talentos em Matemática, com o objectivo de estimular nos jovens o gosto, a capacidade e a vocação de pensar e investigar em Matemática.
Passados dez anos sobre o Ano Internacional da Matemática cabe agora apreciar e repensar todo o esforço desenvolvido bem como o seu enquadramento. Neste sentido, a afirmação central de Galileu de que «a Natureza é como se fosse um livro, escrito em linguagem matemática» precisa cada vez mais de ser interiorizada e protegida como o mais precioso segredo de que dispomos para tornar sustentáveis as sociedades humanas. De facto, ser-se moderno é gostar de matemática, pois só assim se compreende cabalmente a ligação profunda ao contexto e ao ambiente que diariamente nos promove a existência. É necessário socialmente, como um todo, gostar de matemática. Nós comportamo-nos, mais, nós somos o que sabemos.
Por este motivo, para preparar a grande conferência que em Julho de 2010 assinalará uma década de novos talentos em matemática, organiza o Serviço de Ciência o ciclo de conferências públicas A Matemática e os seus Encantos que decorre entre Abril e Junho do corrente ano. "


João Caraça
Director do Serviço de Ciência da Fundação Calouste Gulbenkian


21 ABRIL 2010 18h00
A Beleza Matemática das Conchas Marítimas
Jorge Picado, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra


Há uma grande beleza nas pistas que a natureza nos oferece e todos nós a podemos reconhecer sem nenhum treino matemático. Podemos ser tentados a pensar que o crescimento das plantas e animais, por causa das suas formas elaboradas, é governado por regras muito complexas. Surpreendentemente, isso nem sempre é verdade, como as conchas e os búzios exemplificam: o seu crescimento pode ser descrito por leis matemáticas admiravelmente simples.

Esta ideia de que a matemática se encontra profundamente implicada nas formas naturais remonta aos gregos antigos. Citando o matemático inglês I. Stewart, «
a matemática está para a natureza como Sherlock Holmes está para os indícios». Todos nós já reparámos que a concha de qualquer molusco pequeno é idêntica à concha de um molusco grande da mesma espécie, com excepção do tamanho. Uma é um modelo exacto, à escala, da outra. As conchas, com a sua forma auto-semelhante, podem ser representadas por superfícies tridimensionais, geradas por uma fórmula relativamente simples, requerendo somente matemática elementar. Maravilhosamente, apesar da simplicidade dessa equação, é possível descrever e gerar uma grande variedade de tipos diferentes de conchas. Quais? Todos nós (com muito poucas excepções!), como veremos nesta palestra.


JORGE PICADO


É Professor Associado com agregação do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (DMUC), licenciado em Matemática pela Universidade de Coimbra em 1985, doutorado em Matemática Pura (Álgebra) pela Universidade de Coimbra em 1995.

É investigador do Centro de Matemática da Universidade de Coimbra, sendo membro da sua Comissão Directiva e membro do grupo de investigação em Álgebra, Lógica e Topologia. Tendo como áreas de investigação a topologia (sem pontos), a teoria dos reticulados (locais) e aplicações da teoria das categorias à álgebra e à topologia, é autor de cerca de 35 artigos de investigação em revistas internacionais e uma monografia (tendo uma em preparação, de momento) e apresentou mais de 70 palestras em seminários de investigação ou conferências internacionais. Tem organizado diversos congressos e workshops internacionais. Visitas a universidades estrangeiras: Charles (Praga), País Basco (Bilbau), Cidade do Cabo, McMaster (Hamilton), Southern Illinois (Carbondale), York (Toronto), Masaryk (Brno), Navarra (Pamplona), Florida (Gainesville), Antuérpia, Politécnica de Valencia. Foi tutor de três estudantes do DMUC no programa Novos Talentos em Matemática da Fundação Calouste Gulbenkian.

No capítulo da divulgação tem realizado inúmeras palestras pelo País em escolas secundárias e centros culturais. Publicou mais de 20 artigos em revistas de divulgação, portuguesas e internacionais. É membro da comissão científico-pedagógica de acompanhamento do projecto Atractor - Matemática Interactiva, onde orientou um bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian na realização de diversos módulos interactivos de matemática (Conchas: a descrição matemática das conchas e do seu crescimento, Matemática sem palavras, Curvatura e torção, Curvas planas com WebMathematica: curvatura e circunferência osculadora, Sistemas de Identificação).
Redigiu cerca de 10 textos de cursos e publicações de carácter pedagógico. Editor do Boletim do Centro Internacional de Matemática (2004-2008).

Fez parte da comissão de problemas das Olimpíadas Portuguesas de Matemática entre 1990 e 2000. Chefiou a delegação portuguesa às Olimpíadas Internacionais de Matemática nas duas primeiras participações de Portugal (1989 e 1990). É autor (em co-autoria com Paulo Oliveira) de 4 volumes sobre problemas das Olimpíadas Portuguesas de Matemática (editados pela Texto Editores e pela Sociedade Portuguesa de Matemática). Mais informações: www.mat.uc.pt/~picado


Fundação Calouste Gulbenkian Auditório 2
Transmissão directa nos espaços adjacentes
Videodifusão http://live.fccn.pt/fcg/

Informações Estabelecimentos de ensino interessados em participar:
Serviço de Ciência
Fundação Calouste Gulbenkian
Av. de Berna 45A – 1067-001 LISBOA
T. 21 782 35 25 F. 21 782 30 19
E. matematica.encantos@gulbenkian.pt
www.gulbenkian.pt/matematica.encantos

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue