3.24.2006

Ambiente: PEV critica ausência de tratamento de resíduos perigosos no norte

Santarém, 23 Mar (Lusa) - O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) critic ou hoje a falta de uma Centro Integrado de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos (CIRVER) no norte do país, lamentando que apenas a Chamus ca receba os dois equipamentos autorizados pela tutela.
"Faria todo o sentido a instalação de um CIRVER na zona norte do país m as o Governo não se empenhou em encontrar um parceiro autárquico", considerou o deputado Francisco Madeira Lopes no final de uma visita ao concelho da Chamusca.
Com a concentração dos dois CIRVER's na Chamusca serão necessários "lon gos transportes de resíduos perigosos por todo o país" para os levar a este conc elho ribatejano, considerou Madeira Lopes.
O deputado acusou também o Governo de "desvalorizar com o seu discurso" estes equipamentos, considerando-os "um elemento secundário" da solução dos res íduos perigosos em Portugal.
"É uma visão muito errada a opção do Governo de colocar a co-incineraçã o no centro da solução dos resíduos industriais perigosos", afirmou Madeira Lope s, que classifica os CIRVER's como "uma medida essencial" para este problema.
Os CIRVER's serão responsáveis pelo tratamento dos resíduos perigosos e m Portugal, criando sistemas de triagem, reciclagem (no caso dos óleos) e de ine rtização para depósito em aterro.
"Só aqueles que não puderem ser tratados ou valorizados é que seguirão para a co-incineração", afirmou Madeira Lopes, considerando que esta "desvaloriz ação dos CIRVER's" por parte do Governo levou também a uma falta de empenho das autarquias em acolhê-los, com excepção da Chamusca.
"Não foi honesto da parte do Governo a decisão de se demitir da respons abilidade" de escolher a localização destes equipamentos, ficando pendente apena s da vontade das autarquias.
"Grande parte dos resíduos perigosos são produzidos no norte e no litor al" e "era necessário existir um CIRVER mais perto" dessas áreas de modo a evita r o seu transporte pelas estradas portuguesas.
Apesar disso, Madeira Lopes elogiou a acção da Câmara da Chamusca neste processo, promovendo consultas à população sobre a instalação destes equipament os de modo a garantir a adesão dos munícipes.
Sérgio Carrinho, presidente da Câmara da Chamusca (CDU), manifestou a a bertura do município em receber outros partidos políticos para avaliar os trabal hos no terreno, já que os dois CIRVER's estão em fase de consulta pública.
"São importantes estas visitas porque no papel as coisas são uma coisa mas no terreno são outras", afirmou.
Os dois CIRVER's deverão instalar-se na zona industrial do Relvão, deno minada de "Parque Eco" e, para sensibilizar a população, a autarquia agendou reu niões na Chamusca, Carregueira e Arripiado, tendo já iniciado a distribuição de folhetos a todos os munícipes.
Em paralelo, está a decorrer a ampliação do aterro de Resíduos Industri ais Banais (RIB) e já foi aprovada a ligação à Rede Eléctrica Nacional da electr icidade produzida a partir da central de biogás do aterro de Resíduos Sólidos Ur banos (RSU).
Para a zona industrial, a Câmara adquiriu cerca de 25 hectares perto de stes aterros e dos CIRVER que irão constituir uma nova zona de acolhimento empre sarial para empresas de reciclagem.
A aposta na reciclagem como sector económico irá permitir a sustentabil idade financeira do município, que se debate com a falta de receitas próprias e com uma área muito grande para gerir.
PJA.
Lusa/Fim

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue