9.30.2004

NEW KITSCHENET


Hoje caprichei na ementa:
Fiz smilles de souflé
Com emotions a acompanhar.

É que já ninguém abraça de puré
Nem põe beijos a fritar!


NÃO HÁ CRIME NO ANOITECER

Caprichadas de silêncio antecipado
As palavras do lago plenas de sigilo
Constrangidas pelo parado das águas
Reflectem: são pausas, folhas, paus
Retratos invertidos de quem passa.

Ao fundo a cidade lança seu soslaio de Sé
Entre as góticas frondes verdes do jardim
Nas vésperas de um outono que se esqueceu
De cumprir o calendário das estações.

E granito antes das rosas; cal, sempre cal, após elas.
Mas a espraiar-se no lusco-fusco o ocaso
Distancia-se imaginável por detrás do casario
Apenas enraivecendo
Irisando
Apodrecendo de laranja o horizonte azul.


É preciso reconhecer o privilégio de estar só
Ser ínfimo perante a grandeza do dia
Para escutar a lentidão da luz a esvanecer-se
A dissolver o intermitente negro sobre o céu
No curvilíneo e estonteante esvoaçar das andorinhas.

Na planura quieta do espelho a água
Esverdeia pouco a pouco de anoitecendo.
Não serve de nada fingir que a tarde tarda
Nem lembrar porque se esqueceu o meio-dia.
Não está certo sermos quem não somos
Ou esconder o rosto nas sombras do querer ser:
A frescura da luz que refresca está em si
Mesma e igual é esta cinza de aço baço
Como mapa de sonoridades caladas por descobrir.

Ouvir-me na luz que se esconde não é crime
Nem pedir palavras aos silêncios antecedidos,
Porque escorrendo as sombras são apenas sombras
Nadas incapazes de sobrecarregar os espectros temidos.

Esplanada de "O Tarro", 30.10.04 - 19:20 horas


"INDEFERIDO!!..."


só quando me esqueço de ser sou quem sou
e não o outro que caminha a ver-se acompanhado
de si mesmo lado a lado fintando as sombras:


- Não, não peças silêncio às luzes da cidade
que lançam seus olhos de noite de rua em rua!


CARAMELO EM LEITE CREME


Permito-me compreender quem és
Arrisco-me a ser outro no agora
Aqui dos sonhos por revestir de velas
Mágoas, anseios, crenças, ilusões, pés.

Permito-me ser 59 minutos da tua hora...
Mas quando aí caído entregue todo assim
Eis-me permitido mas perdido sem mim,
Pois naquele minuto único só queres olhar as estrelas!


ZÁS!


A terra é redonda. Pimba!
E o sol está de veludo
Escoando-se no limiar das horas.
Creio no todo-poderoso imenso líquido
Que me animala os ossos e o teu ventre.
Sejamos cruéis como somente nós
E desenhemos nas transversais abertas
Pequenas soleiras onde os velhos gastem a bisca
Os dias e as pantufas são iguais, tal e qual
Recordando os tempos de guerra e senhas
(prò pão).


Ouvi dizer que me não amas - bem
Parva foste, esse direito era só teu.
Agora, será mais fácil suspender-me
Atirar-me de uma nota musical qualquer
Suicidar-me num assobio de rompante
Que procurar o ninho de teus (a)braços.
(São sinas; é prò pão!)

Num dos quadros da minha sala
Tenho um toquê que parece.
Se alguma mosca me atenteia
Ele Pula da Tela pla PaPá-la...

- Zás.



LIBRETO

Jamais seremos outros em nós mesmos
Que é posto a cada um o saber sabido,
Como se fôramos o ainda somos de sermos
Aquilo que apenas nós tivéramos crido.
Jamais esperaremos por nós em idos ermos
De calar a sofreguidão ao sonho tido,
Já que ser é um todo que se quer nos termos
De quem se não atém de rés e ao meio sentido.


Porque jamais o receio de ser nos fará calar
Esta sã certeza que cada um no outro tem
Em sermos somente nossos e de mais ninguém.

E da vida. Que se quer por nós representar
Ao haver-nos dado como exemplos da zarzuela
"La Cancion del Olvido", e a dor daquela!


A MISSIONÁRIA DO FUTURO


Estais ambos na vida.
És uma professora... E ele, um menino triste.
Então ensina-o. Ensina-o a amar-te.
A ver-te. A esperar-te.

E aí sentirás que ficou cumprida
A missão que em ti existe.


CULPA IMPERATIVA


Ignorando a ignorância
De quem caminha sobre o próprio corpo
Vai o cerne da tolerância
Ignorando como está morto.

Vai o epílogo, o fim.
Vai o exílio, o cabo.
Vai a cauda sem fim
Sem saber que começa no rabo.

Vai, como qualquer cantor de rua...
Vai, vai, vai sob o sol da sina tua.


Vai - vai! - na ignóbil estrada negra
Como quem desafia o atrito,
Como quem destila a regra
De corromper o próprio grito.

Vai o desejo, e na secura
Vai o fio (Ariane)infinito
Que liga o agora ao aqui,
Une o agora ao para ti.

Vai: repito! E repetindo esqueço
Que nem esquecer-te mereço!


VIAGEM DE ROTEIRO
(ENTRE FACTOS E CONJECTURAS)

Quis-me numa hora de recato
Saber-me a sonhar sem sentido.
Havia pedras, árvores e mato,
E uma charneca e um regato
Onde nunca tinha ido.

Era terra de remotos contornos
Com azeitonas, conservas e pão
Madeiras, resinas e vigas de betão;
Solos férteis e tempos mornos
Ao florir da esteva e manjericão.

Porém nesse sonho havia
Algo que me preocupava e impelia
Na urgência do magnético destino tido.
É que fora onde fora sem querer
Esquecendo-me aliás de dizer
Que eu também o houvera querido...
Pois o maior dos saberes dos mais antigos,
É o de entre conjecturas escolher
Que os "factus" são nossos amigos!


CONDOMÍNIO FECHADO


Há vozes intemporais na fluidez
Do líquido estar esquecido de nós?
O que se ouve murmurar antes e após
Do escorrer da solidão e languidez?

São cumplicidades morninhas do olhar
A fremir promessas, ânsias e segredos
Que nos iniciam na arte de interrogar
Aos porquês o por quê de nossos medos?

São inspirações de folha silvestre?
São inscrições de grafito rupestre?
São desalinhos no croquis do querer?
Não, são apenas gritos roucos na planície
Do ser impondo que de vez que se inicie
A flor, certidão inequívoca do "crer é poder".


1.
abrevia solidão como quem tece
a saga dum silêncio amortizado
a distância incendiada dos corpos
a alma indizível do desejo proferido:

ainda é hora. Tens a boca escolhida
nos lábios do tempo literal solícito
aberto, descosido, integral ao verbo
e és espera de quem se aporta e se alerta.

Contudo, nos esgares sucumbidos
desferes um coração que me acerta.

2.
podendo dizer por que calas os lábios
colados contra o tempo num só golpe
a destreza na planura intensa, língua vil
abre o ovo do silêncio, vá!, vá!, parte-o
assim com a gema do dizer inconformado:

sê exemplar. Escuta a luz silvestre
dança nos subúrbios do silêncio
desvenda o ventre ao umbigo da tarde.

Reconhece, que é bom ter amigos, desenhar
intempéries num sentimento possível
mudar o mundo e as consciências com eles
destroçar a nudez crua e anónima dos nomes.
É benéfico aventurar os nossos destinos
nos espelhos partidos em que nos consomes...

- mas não desistimos!

MILAGRE

Eu escrevia de borla para os jornais, e curei-me.
Graçazadeus!!... Aleluia, Senhor! Aleluia!!...


No próximo dia 9 de Outubro, no Restaurante Leitão, em Caia, realizar-se-á mais um encontro dos ex-alunos da Escola Industrial e Comercial de Portalegre, actual Escola Secundária de S. Lourenço, conforme o acontecido em anteriores anos. O preço de inscrição é de 30 euros e será homenageado o professor Duarte Lima, conhecido entre todos por professor Du. Os interessados podem fazer a marcação através do mail deste blog ou na loja da Mariazinha, no Centro Comercial Fontedeira, em Portalegre. Até lá, e saudações

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue