11.05.2017

TEXTURAS DIVERSAS, por JAIME CRESPO




TEXTURAS DIVERSAS 
Jaime Crespo
Coleção Palavras Soltas
CHIADO EDITORA

"Na serena sabedoria dos avós se encerra a chave do futuro" – página 126

Escorrendo generosidade e e alentejaníssimo sentir, chegou-me recentemente às mãos um livro (Coleção Palavras Soltas, da CHIADO EDITORA, Lisboa, 142 páginas), que, não obstante a frugalidade no tamanho é de recheada compleição semântica, com autoria do meu amigo JAIME CRESPO, intitulado TEXTURAS DIVERSAS. 

Conjunto de palimpsestos em trânsito, uns na direção conveniente, ainda que em contramão, outros no sentido imprevisto, mas na faixa da oportunidade, além dessoutros que trazem colados a si – nas entrelinhas da intertextualidade –, embora que já expeditos, emancipados e desmelindrados, as parras (folhas) impressas das quais rejuvenesceram, porquanto se podem discernir como pinceladas impressionistas de recordação sobre a lona esmaecida da grande tela do tempo; alguns vêm do passado (mais ou menos remoto) fitando o futuro, apenas fazendo escala na atualidade para ganhar balanço, e outros, partem do presente enviesando prò passado, recapitulando-o aqui e ali, quais atalhos de cogitação congeminadora de observatórios naturais, cujo traço intimista, subjetivo, cimentado nas matizes que só a memória reconhece como plausíveis, emprestam ao estilo conciso mas abrangente, a tenacidade de um esquecimento adiado, interrompido, alicerçado no querer que se ancorou na coisa literária diversa e multifacetada dos retalhos avulso unidos por uma visão do mundo – a do autor –, quais iguarias no rescaldo da matança da rês (e da rés) para petiscar acompanhadas com um tintol de estalo, safra caraterística de Portalegre, terra de lagóias, extraído do fruto vindimado nas "abençoadas margens de Baco". 

Quando nos conhecemos, a cidade era não mais que uma charneca pejada de tascas, cafés, pequenos comércios, bancos e esplanadas, arrecadando em algumas montras os livros que iríamos ler, com ruas e largos a espreguiçarem-se ao vaivém das mais lindas cachopas que foi dado à criação conceber, rica em retouças e mistérios. E, quanto aos mistérios…  Bem, esses faço fé de que eram já os mesmos que hoje encerra, pese embora fechados a sete chaves. 

À chave do conhecimento usámo-la com humildade, empenho e honestidade; à da magia, rodámo-la com copioso e encantado arrebatamento; à da amizade, usufruímo-la com partilha, temperança e desportivismo; à da estética empunhámo-la com irreverência crítica, cagança e ousadia; a da moral abrimo-la prà diversidade, tolerância, respeito e dignidade; a da civilidade manobrámo-la com compromisso político, cidadania, arregougos acráticos e pruridos revolucionários; mas a da liberdade gastámo-la de tanto uso com música, fantasia, boémia e poesia. Quanto à sensatez, por já estar fora da pauta, reservámo-la para usufruir na velhice – o que, está óbvio, ainda se avizinha distante, pelo que se alguém está à espera dela para nos chamar a atenção por qualquer desmando, faça-o em fila de espera, mas leve para o efeito uma cadeirinha de bunho, a fim de o fazer sentado/a, caso contrário sujeita-se a contrair moléstia de agravo consentânea com a demora –, e, à do destino, devolvemo-la à procedência, isto é, à natureza, ao oculto e ao acaso, que são quem o tutela e de onde nunca devia ter saído.   

Coleção encadernada, escorreita e de leitura fácil de fragmentos literários que subentendem ser pertença de enredos maiores, dão à tona nestas páginas para nos possibilitar uma viagem circunspeta pela portugalidade perene e viável, essa mesma que a língua portuguesa anteriormente encetara, indo do Minho à China, passando também pelo Japão, Índia e Timor, no porão de uma paráfrase de insofismável laicismo. É uma obra desenxovalhada e que merece a atenção de todos e todas que andem nestas lides de querer saber quem afinal somos exatamente, além dos razoáveis porquês por termos ido ainda além da Taprobana. 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue