4.12.2017

RETRATO SOB ROSTO SUBLIME




RETRATO SOB ROSTO SUBLIME 

O vento manso afaga nubente
Os brotos, rebentos, folhas viçosas
E acaricia a pétala fremente
No veludo dos lábios nas rosas
E papoilas, princesas dos trigais
Com que as brisas enleiam (charmosas)
Os suspiros da luz por outros ais, 
Outros sulcos pelo chão desenhados
Arados com esses olhos infinitos
Onde guardo os meus cuidados
Íntimos ecos, os secretos gritos
Abertos como sílabas fulgentes
Na plástica das searas e montados 
– Esquissos d'Alentejo e suas gentes. 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue