4.04.2017

DO PARDALITAR DOS PINTASSILGOS





DO PARDALITAR DOS PINTASSILGOS 

Conheço, dos pintassilgos um casal
Que parece que pardalitam como qualquer pardal… 
Namoriscam e constroem o ninho
Em seu vaivém regular, 
Nas árvores, à beira do caminho
Como se fossem prédios de andar
Sobre andar; 
Apartamentos para novos casais, 
Singelos e pequenotes, 
Que não deve haver verba pra mais. 

A brisa areja-lhes as janelas
E as ramadas laterais, 
Sem patins nem escadotes, 
Que quem voar entra nelas
Sem carecer doutras portelas, 
Frontispícios ou umbrais.

Ele canta – é um janota! 
Fadista da marcação cerrada… 
Ela, faz a obra, acarreta materiais, 
E tão-pouco se importa
Que o parceiro não faça nada. 
("Pelo menos, não atrapalha", 
Deve pensar, se calha…) 

Que suponho ser isso que faz
Ao andar dum lado prò outro
Quando nem uma palhinha traz, 
Embora tenha muito bom corpo
Para ajudar a companheira
A construir a morada
Para essa nova ninhada
De sua própria sementeira. 

Ele há casais curiosos! 
Sim, senhora… Essa é que é essa! 
Mas mesmo se se debicam (amorosos)
Não demonstram nenhuma pressa – 
Vão e vêm, vêm e vão, e, volta e meia
Se um estende linha o outro enleia, 
E dão-se um pouco mais de atenção… 
Quer dizer: coisa e tal… 
Como faria qualquer pardalita com seu pardal! 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue