2.12.2017

SEM TEUS OLHOS NÃO HÁ POESIA




SEM TEUS OLHOS NÃO HÁ POESIA

Sem teus olhos não há borboletas.
Sem os teus gestos não tenho asas. 
Sem teu jeito fenecem os planetas
E nenhum sol aquece nossas casas.
Sem tua luz me apago, e os cometas
Caem ao largo, com caudas esparsas
Quase carvão, como se fossem setas
Feitas da sombra das finitas brasas.

Sem teu nome sou órfão segregado.
As palavras morrem-me na garganta.
Ando com grilhetas de condenado
E arrasto um verbo que já não canta… 
Porque sem teus olhos não há poesia
E apenas o breu se alberga no dia!

Joaquim Maria Castanho


Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue