2.07.2017

DEPOIS DO BREU, ARINA ILUMINA O CÉU




APÓS O BREU, ARINA ILUMINA O CÉU

Triste, alucinado, confuso
Naufrago pela antimatéria; 
Contudo, nem por isso acuso
Minha Deus por tão fraca féria.
Pois confio em suas intenções, 
Entraves, silêncios, omissões
Regras, técnicas, estratagemas;
Que nada separa os corações
Que foram unidos por poemas.  

E o horizonte também o sabe… 
Também ele se aloira e t'espera.
Também ele escreve na tarde
As cores e luz de por quem arde, 
Quem respeita, adora e venera! 

Joaquim Maria Castanho

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue