1.30.2017

EM RECATO




RECATO

Escondo teu nome em meu peito
Digo-lhe coisas que já por bem sabes,
Que já conheces de cor, neste jeito
De perdida imensidão onde cabes
Sem defeito nem juízo doutro valor,
Senão sentir de amigo que é amor…

E escondo-te para não me esconder,
Na timidez que compõe essa reserva
Que os olhos têm de serem vistos a ver
Se acaso alguém também nos observa; 
Que a seiva é essência de toda a flor,
Mais essencial que a sua própria cor.

E neste esconder em que me mostro
Sou da essência superfície profunda,
Pomo de secreto sentir, e imo estro
Da vida que a ambos abraça… e inunda! 

Joaquim Maria Castanho 

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue