10.27.2009

LANÇAMENTO DO LIVRO
O GRANDE FEITICEIRO AMARELO
31 de Outubro, 17h, no Lugar do Desenho
TEXTO: HELENA OSÓRIO
ILUSTRAÇÃO: JÚLIO RESENDE



O livro é publicado pela Animedições com o apoio da Fundação Júlio Resende e da Câmara Municipal de Estarreja, Sage, Arquitectos Ricardo Azevedo e Simaca.



“Trata-se de um conto para todos que mostra como é possível transformar as coisas menos boas da vida em experiências positivas, abordando de alguma forma o que os Portugueses encontraram além-mar", segundo afirma Helena Osório.







...SINOPSE



O conto, inspirado na obra de Júlio Resende em Goa, com desenhos seus inéditos, fala deum cavaleiro amarelo que se veste de ouro e não sabe sorrir. Ele vai buscar 1001 mulheres aGoa para habitarem a muralha da China onde vive com 1001 cavalos especiais – daquelesque os Portugueses, no tempo dos Descobrimentos, transportam nas suas pesadas embarcações,conhecidas por Carrancas, e à mistura com móveis indo-portugueses, rinocerontese outras preciosidades exóticas.O cavaleiro ostenta um anel mágico que o faz viajar através de um nevoeiro verde e, assim, rapta1000 goesas que dizem ser as mais fiéis e belas do Mundo (exaltadas por Camões). Rapta-asapenas para lhes oferecer um dos seus valiosos cavalos e para as tratar bem. É que, tradicionalmente,as goesas são obrigadas a queimarem-se por morte do marido. O cavaleiro salva-as!Mas, nem as 1000 goesas, nem os 1001 cavalos, o fazem sorrir. Falta-lhe mais uma, tantasquantas os cavalos.Regressa a Goa e cruza-se na praia com uma mulher diferente das demais encontradas. Umamulher que não sabe falar, o faz sentir só e o leva a rir finalmente. É uma sereia que se apaixonapelo riso amarelo do cavaleiro com dentes de ouro. Ambos mergulham no mar de Goa e transformam-se numa espécie de golfinhos sorridentes.



(Helena Osório)

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue