9.25.2003

Da argumentação e estilo desenvolvido por Robert A. Heinlein falaremos mais tarde. Agora e segundo o espírito da nossa leitura o que é preciso é saber como ela está a operar em nós! Como nos faz sentir depois de 20 páginas e como nos preencheu de novas maneiras de experimentar o real... Como opera a FC em nós e porque não temos receio de nos entregarmos a ela de alma aberta? Será que isto acontece por sabermos que de um género menor não advém perigo de influências nefastas ou, por outro lado, nos fechamos por o saber um género menor que não deve ser levado a sério?... Há possibilidade de enquadrarmos as nossas respostas não perdendo o sentido da estranha realidade....

Sem comentários:

La vida es un tango y el que no baila es un tonto

La vida es un tango y el que no baila es un tonto
Dos calhaus da memória ao empedernido dos tempos

Onde a liquidez da água livre

Onde a liquidez da água livre
Também pode alcançar o céu

Arquivo do blogue